terça-feira, 31 de maio de 2011

O Resgate


Este blog está na UTI, coitado!
Negligência, abandono... opróbio!
A redatora está sem tempo, mas quem sabe vire a redentora desse espaço já cheirando a mofo e cheio de teias de aranha.
Quando nasceu a ideia, brotou a responsabilidade do lado. E foi fondo... foi fondo... As memórias surgiam aos borbotões. Os casos faziam fila: conta eu!
Então a bruxa má da correria sequestrou os assuntos. E o blog começou a definhar... igual na história do Joãozinho e da Maria.
- Me mostra o seu dedinho!
Risco nenhum: magrinho, magrinho... Um post aqui e outro lá longe!
E o tempo naquela doideira, o chato.
Começou a prática da procrastinação (sabia que ainda ia usar essa palavra - sonho antiiiigo!): Amanhã eu escrevo. Depois eu posto. Domingo, sem falta.
E o amanhã passou, o depois 'cascou fora' e o domingo já virou terça-feira.
Foi!
E o blog aqui, anêmico, franzino.
Começa agora a Operação Resgate.
Resgatar é recuperar, liberar do risco, quase uma ressurreição.
Resgatar amizade, um amor, lembranças...
Resgatar do pretérito os substantivos e os verbos tão necessariamente presentes: atenção e cuidar.
É o que me falta nesse momento: o cuidado, a atenção, o dedicar.
Tudo o que importa precisa de cultivo, da presença.
Eis-me aqui, Coriolano!
E pra mostrar que não é brincadeira, vou contar um causo:
Quando eu era pequenininha, lá... nos idos de 19... tinha as mãos muito gordinhas mas quase nas pontas dos dedos dava uma "amassadinha". Ninguém nunca tinha posto reparo no fato e o problema foi exatamente isso. O Fabinho, muito quieto e bonzinho, apertou minha mão na porta e o berreiro trouxe a Mamãe correndo. Quando ela pegou minha mão e viu o estrago
- Coitada, amassou a mão da pobrezinha!
O Fabinho pagou o (f)pato, claro!Levou uma surra federal.
Só depois de muito tempo que a Mamãe reparou: as duas mãos eram(*) iguaizinhas!

(*)Detalhe: ainda são.


domingo, 8 de maio de 2011

Encomenda


- Pois não, Senhora. O que vai levar dessa vez?
- Quero um filme com o Gary Cooper, uma travessa de pastéis, uma saia xadrezinha plissada e uma blusa branca de cambraia. Quero um cheiro de talco passado logo após o banho e voz de contralto cantando 'Solamente una Vez'. Pode acrescentar um bonito bordado com linhas Varicor.
- Mais alguma coisa, Senhora?
- Por favor: Pezinhos tamanho 33 em sapato tipo Cinderela, sabe? Aquele bem delicadinho, mesmo não sendo de cristal?
- Sim, Senhora. Tem preferência de cor?
- Preto. Aliás, de verniz preto. Cabelos brancos. Ela era louca por cabelos brancos e tinha tão poucos!
- Vou providenciar, Senhora. Algo mais?
- Um jardim cheinho de plantas. Variadíssimas: roseiras, flores-de-maio, begônias, avencas, samambaias...
- Pode acrescentar uma horta?
- Pode, sim. Se tiver algumas árvores de fruta, ponha junto, por favor.
- Perfeitamente.
- Um fogão com um forno enorme!
_ Sim, Senhora.
_ Ah... acrescente um vídeogame!
- Vídeogame?
- Sim, Ela adorava jogar o Super Mário. Moderninha como o quê!
- É só?
- Não, uma última coisa: Blusas e meias de lã. Era friorenta, a Baixinha!
- Embrulhar tudo junto? Para presente?
- Não... É só para sonhar, mesmo. É que ela faz muita falta!





Feliz Dia das Mães! Aproveitem!


Imagem 1: Arquivo pessoal.
Imagem 2: tirei dqaqui: http://www.freeprettythingsforyou.com/


-

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Gracias a La Vida de Valéria








Para aquela que ma apresentou os Buendía, os Irmãos Karamazov e o Sidarta.
Para aquela que me levava aos shows do Tarancón.
Para aquela que me levava para acampar na "Bica" em Glaura.
Para aquela que me emprestava as fitas K-7 com Elis Regina, Milton Nascimento, Ednardo e Belchior.
Para a mãe do Felipe, que me mostrou que podemos ter dons que nem imaginamos (maternidade é um deles).
Para aquela que vive falando besteiras e nem imagina como é amada e admirada!
Gracias, Varélia, a tia que não é chamada de tia, mas é amiga chamada de amiga!