quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Feliz Ano Novo!



Aqui não é conto de fadas.
Ninguém acredita que, entre a última badalada de 2015 e a primeira de 2016, uma magia acontecerá e o príncipe aparecerá, a bolsa se encherá de moedas de ouro, a neve derreterá para libertar o pé da formiguinha, a poção mágica recuperará a saúde, os inimigos se abraçarão comovidos e o tapete voador estacionará a alguns centímetros.
Não.
Não somos tão inocentes.
Mas nos preparamos tanto pra esse momento!
Acho que é porque, talvez, em algum meandro que nem Freud descobriu, lá, dentro do ovo, dentro da caixinha, dentro do baú, dentro da concha, no fundo do mar, protegida pelo maior dragão já existido, fica a vela da esperança. Que não é esperança da magia, mas a esperança da força de cada um.  De resistir ao que nos opõe e superar nossos desafios. Nos empurrar ao primeiro passo para o esforço de nos transformarmos no que gostaríamos de ser, desde que não aniquile o que já somos. A nossa essência. Sermos menos carrascos de nós mesmos e nos darmos a chance de sermos amados sem subterfúgios. Não precisarmos esconder nosso afeto e não despejarmos nos outros as nossas frustrações e dores.  Conseguirmos enxergar nossa mesquinhez para podermos combate-la. E aceitar a mão de outra pessoa sem pensar que é humilhante. Termos ousadia de viver autenticamente, sem a tutela de outros. Confiar na nossa bondade sem precisarmos de ordens.
Inventamos o Tempo para nos darmos a chance de um recomeço. Um marco para nos colocarmos diante dos nossos insucessos e vislumbramos a oportunidade de corrigir o rumo. Pode ser que este seja um dos poucos momentos em que estamos, realmente, conscientes do Presente. E, como não poderia deixar de ser, desejando mais.
Ah, humanos!
Tão diferentes e tão iguais! Espero que a igualdade nos permita a união. E que as diferenças nos permitam a adaptação. Projetarmos um futuro e vivermos o agora, porque a outra badalada pode não acontecer.
Feliz ano novo. Felizes novos nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário