terça-feira, 28 de setembro de 2010

A Humana Comédia - casos reais



Fatos engraçados acontecem o tempo todo. Mas para isso é preciso interpretar os acontecimentos com humor. Muitas vezes, quando acontece algo que nos deixa incomodados, reagimos com vergonha, frustração e até mesmo agressividade. Acredito que seja a tendência de reação o que faz as pessoas serem dividas em: bem e mal humoradas. Dizem que aprender a rir de si mesmo é uma das maiores mostras de sabedoria.
Vou contar alguns casos que ouvi e que foram contados em meio a gargalhadas. Alguns poderiam até ser classificados de trágicos (com um pouco de exagero!) mas espero que sirvam para divertir.


A tia Ismênia, certa vez, andando distraída, viu um botão de sua blusa cair. O que ela fez? Pegou o botão e engoliu. Pode ser o cúmulo da hipocondria!


Minha colega de trabalho contou que entregou para um "chefe" de seção recém empossado, um projeto em que estava escrito: Para sua apreciação. Ela quase engasgou quando pegou de volta o documento. Junto à assinatura, constava: Apreciei muito!


Outra colega contou que sua irmã foi fazer compras no sacolão do bairro e lá encontrou uma vizinha, já idosa, no caixa pagando as compras. Essa vizinha, enquanto esperava , ficava dando umas reboladinhas muito engraçadas. Ela então cumprimentou:
- Como vai a senhora?
- Oi, minha filha. Não estou muito bem não...
- Não fale isso! Está até dançando!
- Que nada, estou é com Mal de Parkinson, que afetou minha perna!


Vou contar o “causo” a seguir, da maneira que ouvi:
“ Eu estava em uma missa de sétimo dia na igreja do meu bairro e vi uma amiga abraçada com uma pessoa um pouco à minha frente. A mãe dela era muito baixinha e por isso eu não a vi. A igreja esta LOTADA, um calor HORROROSO e por isso resolvi sair para tomar um ar. Alguns minutos depois, essa minha amiga falou bem alto um pouco mais de longe:
- Oi, Maria José. Perdi a minha mãe.
Eu, muuuito discreta, gritei de volta:
- Preocupa não, ela deve estar no meio dessa zona toda!
Aí, a bomba:
- Você não entendeu, hoje é missa de sétimo dia dela!”



A tia dessa mesma “manoteira” mora em Ouro Preto. Ela é solteirona e vive com um dos irmãos, também solteirão. A casa é bem velha, muro baixo, sem muita neura. Um dia, o irmão tinha saído, quando a tia entrou em casa e viu um estranho dormindo no sofá da sala. Ela saiu de fininho e chamou um vizinho, com medo. O vizinho achou melhor chamar a polícia. Quando os guardas chegaram, entraram na casa e pegaram o intruso e o levaram para a delegacia. Quando ele estava saindo, escoltado pelos policiais, virou para a dona da casa e reclamou:
- A senhora é foda, viu?!?!


A Maria José também é fã de uns “birinaites”. Foi a um churrasco na casa da irmã (a do sacolão) e, como a carne estivesse demorando muito, resolveu fazer uma busca na geladeira para ver se descolava alguma coisa mais rápida. Achou uns palitinhos ajeitados e colocou na churrasqueira, pensando com seus alcoolizados botões: Essa minha irmã é uma munheca de samambaia, amarrando a muçarela! Só que a muçarela não assava nem por reza! Aí, não teve jeito. Teve que reclamar com a irmã:
- Puxa vida! Onde é que você comprou esse queijo duro?
- Mas quem falou que isso é queijo? São uns palitos de cana que eu guardei na geladeira!

Este post continua na próxima semana...


Crédito da foto: Por aí na web, quem souber, me avise!

Nenhum comentário:

Postar um comentário